Últimas Novidades

Ambientes

TBT: CASACOR Santa Catarina 2015
5x São Paulo com Deca, por Juliana Pippi: O projeto deste loft de 130 metros quadrados em Florianópolis teve como inspiração não apenas o jeito urbano de morar em São Paulo, pois foi além nas abordagens. As expectativas que definem as escolhas de quem decide fazer da cidade seu lar, a forma de se relacionar e conversar com a cidade, os fluxos que marcam a rotina e a convivência na metrópole. Cinco pessoas criativas toparam abrir suas histórias para servir de pano de fundo para o ambiente. Cada uma delas marcou um episódio na apresentação do espaço. “Acredito que essa é a linguagem dos atuais tempos, dos jeitos emergentes de interagir com a cidade e com a vida”, afirma Juliana.
Ambientes

TBT: CASACOR Santa Catarina 2015

Relembre os principais ambientes da edição catarinense da mostra

A CASACOR Santa Catarina 2015 fez história no Estado. Até hoje, a edição é uma das mais lembradas por profissionais e pelo público por conta dos ambientes ecléticos e de vanguarda. Nesta quinta-feira (10), vamos relembrar os espaços da mostra, que reuniu arquitetos e designers renomados, como Ana Paula Ronchi, Juliana Pippi e Cris Passing. Confira a seguir fotos e detalhes sobre cada ambiente.

Living África, por Ana Paula Ronchi: A pluralidade cultural, os valores étnicos e as riquezas do continente africano inspiraram este projeto de Ana Paula Ronchi em Florianópolis. A profissional fundamentou os 90 metros quadrados na ideia de uma África que evidencia a vivacidade da terra e o contraste das vidas que nela habitam. “Tentamos traduzir esse conceito na escolha dos materiais. Em síntese, propusemos uma junção dos produtos rústicos com modernos, dos tecidos cor de pele com a rigidez do concreto no chão”, explica.
Living África, por Ana Paula Ronchi: A pluralidade cultural, os valores étnicos e as riquezas do continente africano inspiraram este projeto de Ana Paula Ronchi em Florianópolis. A profissional fundamentou os 90 metros quadrados na ideia de uma África que evidencia a vivacidade da terra e o contraste das vidas que nela habitam. “Tentamos traduzir esse conceito na escolha dos materiais. Em síntese, propusemos uma junção dos produtos rústicos com modernos, dos tecidos cor de pele com a rigidez do concreto no chão”, explica.
Living África, por Ana Paula Ronchi: A pluralidade cultural, os valores étnicos e as riquezas do continente africano inspiraram este projeto de Ana Paula Ronchi em Florianópolis. A profissional fundamentou os 90 metros quadrados na ideia de uma África que evidencia a vivacidade da terra e o contraste das vidas que nela habitam. “Tentamos traduzir esse conceito na escolha dos materiais. Em síntese, propusemos uma junção dos produtos rústicos com modernos, dos tecidos cor de pele com a rigidez do concreto no chão”, explica.
Living África, por Ana Paula Ronchi: A pluralidade cultural, os valores étnicos e as riquezas do continente africano inspiraram este projeto de Ana Paula Ronchi em Florianópolis. A profissional fundamentou os 90 metros quadrados na ideia de uma África que evidencia a vivacidade da terra e o contraste das vidas que nela habitam. “Tentamos traduzir esse conceito na escolha dos materiais. Em síntese, propusemos uma junção dos produtos rústicos com modernos, dos tecidos cor de pele com a rigidez do concreto no chão”, explica.
5x São Paulo com Deca, por Juliana Pippi: O projeto deste loft de 130 metros quadrados em Florianópolis teve como inspiração não apenas o jeito urbano de morar em São Paulo, pois foi além nas abordagens. As expectativas que definem as escolhas de quem decide fazer da cidade seu lar, a forma de se relacionar e conversar com a cidade, os fluxos que marcam a rotina e a convivência na metrópole. Cinco pessoas criativas toparam abrir suas histórias para servir de pano de fundo para o ambiente. Cada uma delas marcou um episódio na apresentação do espaço. “Acredito que essa é a linguagem dos atuais tempos, dos jeitos emergentes de interagir com a cidade e com a vida”, afirma Juliana.
5x São Paulo com Deca, por Juliana Pippi: O projeto deste loft de 130 metros quadrados em Florianópolis teve como inspiração não apenas o jeito urbano de morar em São Paulo, pois foi além nas abordagens. As expectativas que definem as escolhas de quem decide fazer da cidade seu lar, a forma de se relacionar e conversar com a cidade, os fluxos que marcam a rotina e a convivência na metrópole. Cinco pessoas criativas toparam abrir suas histórias para servir de pano de fundo para o ambiente. Cada uma delas marcou um episódio na apresentação do espaço. “Acredito que essa é a linguagem dos atuais tempos, dos jeitos emergentes de interagir com a cidade e com a vida”, afirma Juliana.
5x São Paulo com Deca, por Juliana Pippi: O projeto deste loft de 130 metros quadrados em Florianópolis teve como inspiração não apenas o jeito urbano de morar em São Paulo, pois foi além nas abordagens. As expectativas que definem as escolhas de quem decide fazer da cidade seu lar, a forma de se relacionar e conversar com a cidade, os fluxos que marcam a rotina e a convivência na metrópole. Cinco pessoas criativas toparam abrir suas histórias para servir de pano de fundo para o ambiente. Cada uma delas marcou um episódio na apresentação do espaço. “Acredito que essa é a linguagem dos atuais tempos, dos jeitos emergentes de interagir com a cidade e com a vida”, afirma Juliana.
5x São Paulo com Deca, por Juliana Pippi: O projeto deste loft de 130 metros quadrados em Florianópolis teve como inspiração não apenas o jeito urbano de morar em São Paulo, pois foi além nas abordagens. As expectativas que definem as escolhas de quem decide fazer da cidade seu lar, a forma de se relacionar e conversar com a cidade, os fluxos que marcam a rotina e a convivência na metrópole. Cinco pessoas criativas toparam abrir suas histórias para servir de pano de fundo para o ambiente. Cada uma delas marcou um episódio na apresentação do espaço. “Acredito que essa é a linguagem dos atuais tempos, dos jeitos emergentes de interagir com a cidade e com a vida”, afirma Juliana.
50 Tons de Branco, por Laura Gransotto: A designer e decoradora de ambientes Laura Gransotto se inspirou no clima sensual da intimidade de um casal para este ambiente, localizado na sede da mostra em Florianópolis. O branco total foi trabalhado de modo a estimular uma experiência sensorial, causando no público uma percepção mais sensitiva ao entrar no ambiente – que contrasta com o colorido dos demais espaços da mostra. Para evitar a monotonia do predomínio do tom, Laura explorou as 50 tonalidades presentes em piso, teto, paredes, mobiliário e objetos de decoração com variadas texturas, nuances, brilhos e luz provocados pelos efeitos que a cor têm em diferentes superfícies e volumes.
50 Tons de Branco, por Laura Gransotto: A designer e decoradora de ambientes Laura Gransotto se inspirou no clima sensual da intimidade de um casal para este ambiente, localizado na sede da mostra em Florianópolis. O branco total foi trabalhado de modo a estimular uma experiência sensorial, causando no público uma percepção mais sensitiva ao entrar no ambiente – que contrasta com o colorido dos demais espaços da mostra. Para evitar a monotonia do predomínio do tom, Laura explorou as 50 tonalidades presentes em piso, teto, paredes, mobiliário e objetos de decoração com variadas texturas, nuances, brilhos e luz provocados pelos efeitos que a cor têm em diferentes superfícies e volumes.
Loft Black Edition, por Moacir Schmitt Jr e Salvio Moraes Jr: Os designers apresentam em Itajaí como grande diferencial a área externa. Com isso, o visitante do Loft Black Edition teve a sensação de estar num ambiente residencial completo. O layout era funcional, com estilo de décor contemporâneo. Moda, arte, arquitetura e design marcaram o espaço. As cores ousadas e originais chamaram a atenção nos 330 metros quadrados, que se dividiam em um grande living, área integrada de cozinha e jantar, biblioteca, hall, quarto e banheiro. O ambiente era fortemente marcado pelas obras de arte, inclusive do próprio Moacir, que também é artista plástico – além dos trabalhos da catarinense Fabiana Langaro Loos.
Loft Black Edition, por Moacir Schmitt Jr e Salvio Moraes Jr: Os designers apresentam em Itajaí como grande diferencial a área externa. Com isso, o visitante do Loft Black Edition teve a sensação de estar num ambiente residencial completo. O layout era funcional, com estilo de décor contemporâneo. Moda, arte, arquitetura e design marcaram o espaço. As cores ousadas e originais chamaram a atenção nos 330 metros quadrados, que se dividiam em um grande living, área integrada de cozinha e jantar, biblioteca, hall, quarto e banheiro. O ambiente era fortemente marcado pelas obras de arte, inclusive do próprio Moacir, que também é artista plástico – além dos trabalhos da catarinense Fabiana Langaro Loos.
Cozinha de Campo, por Fabiane Folchini: A arquiteta trouxe memórias da infância para a Casa Cor em Itajaí. O espaço teve como inspiração as tradicionais cozinhas de família, com o objetivo de resgatar a tradição dos encontros familiares e de amigos, das conversas longas e agradáveis ao redor do fogão, degustando sempre uma boa comida. Com elementos que remetem às casas de avós, a composição é marcada por um clima de nostalgia e aconchego, além de propor um layout com muita personalidade. As linhas clássicas remetem ao conforto emocional, contrastando com a tecnologia embutida na fabricação do mobiliário e presente na automação – como na abertura das gavetas e do armário sobre a cuba – mostrando que a aparência de antigamente convive perfeitamente com os conceitos atuais de usabilidade.
Cozinha de Campo, por Fabiane Folchini: A arquiteta trouxe memórias da infância para a Casa Cor em Itajaí. O espaço teve como inspiração as tradicionais cozinhas de família, com o objetivo de resgatar a tradição dos encontros familiares e de amigos, das conversas longas e agradáveis ao redor do fogão, degustando sempre uma boa comida. Com elementos que remetem às casas de avós, a composição é marcada por um clima de nostalgia e aconchego, além de propor um layout com muita personalidade. As linhas clássicas remetem ao conforto emocional, contrastando com a tecnologia embutida na fabricação do mobiliário e presente na automação – como na abertura das gavetas e do armário sobre a cuba – mostrando que a aparência de antigamente convive perfeitamente com os conceitos atuais de usabilidade.
Cozinha de Campo, por Fabiane Folchini: A arquiteta trouxe memórias da infância para a Casa Cor em Itajaí. O espaço teve como inspiração as tradicionais cozinhas de família, com o objetivo de resgatar a tradição dos encontros familiares e de amigos, das conversas longas e agradáveis ao redor do fogão, degustando sempre uma boa comida. Com elementos que remetem às casas de avós, a composição é marcada por um clima de nostalgia e aconchego, além de propor um layout com muita personalidade. As linhas clássicas remetem ao conforto emocional, contrastando com a tecnologia embutida na fabricação do mobiliário e presente na automação – como na abertura das gavetas e do armário sobre a cuba – mostrando que a aparência de antigamente convive perfeitamente com os conceitos atuais de usabilidade.
Cozinha de Campo, por Fabiane Folchini: A arquiteta trouxe memórias da infância para a Casa Cor em Itajaí. O espaço teve como inspiração as tradicionais cozinhas de família, com o objetivo de resgatar a tradição dos encontros familiares e de amigos, das conversas longas e agradáveis ao redor do fogão, degustando sempre uma boa comida. Com elementos que remetem às casas de avós, a composição é marcada por um clima de nostalgia e aconchego, além de propor um layout com muita personalidade. As linhas clássicas remetem ao conforto emocional, contrastando com a tecnologia embutida na fabricação do mobiliário e presente na automação – como na abertura das gavetas e do armário sobre a cuba – mostrando que a aparência de antigamente convive perfeitamente com os conceitos atuais de usabilidade.
Living Cool Castle, por Vanessa Larré: Localizado na sede da Casa Cor SC na Praia Brava, em Itajaí, este recanto surpreendeu ao proporcionar uma verdadeira imersão na Europa clássica dos tempos medievais, passeando até os dias contemporâneos. A proposta refletia uma conjunção harmoniosa de elementos característicos de diversos estilos, em perfeita combinação com texturas, ícones de design e movelaria especial. Os elementos decorativos deram o toque final na decoração através de cores, texturas e mesclas, traduzindo o estilo pessoal da arquiteta.
Living Cool Castle, por Vanessa Larré: Localizado na sede da Casa Cor SC na Praia Brava, em Itajaí, este recanto surpreendeu ao proporcionar uma verdadeira imersão na Europa clássica dos tempos medievais, passeando até os dias contemporâneos. A proposta refletia uma conjunção harmoniosa de elementos característicos de diversos estilos, em perfeita combinação com texturas, ícones de design e movelaria especial. Os elementos decorativos deram o toque final na decoração através de cores, texturas e mesclas, traduzindo o estilo pessoal da arquiteta.
Living Cool Castle, por Vanessa Larré: Localizado na sede da Casa Cor SC na Praia Brava, em Itajaí, este recanto surpreendeu ao proporcionar uma verdadeira imersão na Europa clássica dos tempos medievais, passeando até os dias contemporâneos. A proposta refletia uma conjunção harmoniosa de elementos característicos de diversos estilos, em perfeita combinação com texturas, ícones de design e movelaria especial. Os elementos decorativos deram o toque final na decoração através de cores, texturas e mesclas, traduzindo o estilo pessoal da arquiteta.
Living Cool Castle, por Vanessa Larré: Localizado na sede da Casa Cor SC na Praia Brava, em Itajaí, este recanto surpreendeu ao proporcionar uma verdadeira imersão na Europa clássica dos tempos medievais, passeando até os dias contemporâneos. A proposta refletia uma conjunção harmoniosa de elementos característicos de diversos estilos, em perfeita combinação com texturas, ícones de design e movelaria especial. Os elementos decorativos deram o toque final na decoração através de cores, texturas e mesclas, traduzindo o estilo pessoal da arquiteta.
Home Theater, por Indiara Daros Barbieri e Bruno Barbieri: A proposta foi apresentar um ambiente que foge ao padrão dos habituais, desmistificando o estereótipo que são salas escuras, com equipamentos pesados tornando-se predominantemente masculinos. Aqui, as cores claras reinaram, pensado como um ponto de encontro de famílias e amigos para apreciar bons concertos, filmes, animações ou esportes, independente de gênero e idade. Os materiais e texturas leves transferiram ao ambiente a marca dos profissionais.
Home Theater, por Indiara Daros Barbieri e Bruno Barbieri: A proposta foi apresentar um ambiente que foge ao padrão dos habituais, desmistificando o estereótipo que são salas escuras, com equipamentos pesados tornando-se predominantemente masculinos. Aqui, as cores claras reinaram, pensado como um ponto de encontro de famílias e amigos para apreciar bons concertos, filmes, animações ou esportes, independente de gênero e idade. Os materiais e texturas leves transferiram ao ambiente a marca dos profissionais.
Home Theater, por Indiara Daros Barbieri e Bruno Barbieri: A proposta foi apresentar um ambiente que foge ao padrão dos habituais, desmistificando o estereótipo que são salas escuras, com equipamentos pesados tornando-se predominantemente masculinos. Aqui, as cores claras reinaram, pensado como um ponto de encontro de famílias e amigos para apreciar bons concertos, filmes, animações ou esportes, independente de gênero e idade. Os materiais e texturas leves transferiram ao ambiente a marca dos profissionais.
Home Theater, por Indiara Daros Barbieri e Bruno Barbieri: A proposta foi apresentar um ambiente que foge ao padrão dos habituais, desmistificando o estereótipo que são salas escuras, com equipamentos pesados tornando-se predominantemente masculinos. Aqui, as cores claras reinaram, pensado como um ponto de encontro de famílias e amigos para apreciar bons concertos, filmes, animações ou esportes, independente de gênero e idade. Os materiais e texturas leves transferiram ao ambiente a marca dos profissionais.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Club House e Espaço Boreal, por Fernanda Consonni e Priscilla Borges: As arquitetas trouxeram para Itajaí duas propostas: Club House e Espaço Boreal, um anexo ao outro, para garantir ao projeto a funcionalidade capaz de atender a públicos diversos. O primeiro foi inspirado nas cores que remetem ao inverno, como marsala, cinza e azul. Para obter o efeito funcional, as arquitetas dividiram o ambiente em seis: hall de entrada, bar gourmet, mesa de sinuca e espaço para DJ, estar e lounges. No segundo, o bar gourmet vem com a cor cinza se destacando. O ambiente era ideal para eventos à noite, já que dispunha de iluminação pontual e direcionada, automatizada e dimerizada.
Home Theater, por Letícia Pimentel Silva Caldart e Leonardo Caldart: Inspirados em um perfil de cliente que adora música e animadas reuniões com amigos e família, os profissionais buscaram um local com diferentes usos em Florianópolis, utilizando uma relação de proporção para agregar ao cômodo um espaço de leitura, alimentação e descanso – apresentando um novo olhar sobre o tradicional conceito espacial de um home theater. O resultado une traços simétricos e iluminação versátil, que possibilita alternância de cenas mais ou menos iluminadas, de acordo com o uso proposto para o momento.
Home Theater, por Letícia Pimentel Silva Caldart e Leonardo Caldart: Inspirados em um perfil de cliente que adora música e animadas reuniões com amigos e família, os profissionais buscaram um local com diferentes usos em Florianópolis, utilizando uma relação de proporção para agregar ao cômodo um espaço de leitura, alimentação e descanso – apresentando um novo olhar sobre o tradicional conceito espacial de um home theater. O resultado une traços simétricos e iluminação versátil, que possibilita alternância de cenas mais ou menos iluminadas, de acordo com o uso proposto para o momento.
Home Theater, por Letícia Pimentel Silva Caldart e Leonardo Caldart: Inspirados em um perfil de cliente que adora música e animadas reuniões com amigos e família, os profissionais buscaram um local com diferentes usos em Florianópolis, utilizando uma relação de proporção para agregar ao cômodo um espaço de leitura, alimentação e descanso – apresentando um novo olhar sobre o tradicional conceito espacial de um home theater. O resultado une traços simétricos e iluminação versátil, que possibilita alternância de cenas mais ou menos iluminadas, de acordo com o uso proposto para o momento.
Home Theater, por Letícia Pimentel Silva Caldart e Leonardo Caldart: Inspirados em um perfil de cliente que adora música e animadas reuniões com amigos e família, os profissionais buscaram um local com diferentes usos em Florianópolis, utilizando uma relação de proporção para agregar ao cômodo um espaço de leitura, alimentação e descanso – apresentando um novo olhar sobre o tradicional conceito espacial de um home theater. O resultado une traços simétricos e iluminação versátil, que possibilita alternância de cenas mais ou menos iluminadas, de acordo com o uso proposto para o momento.
Loft da Cris, por Cristiane Passing: O décor é marcado por traços contemporâneos e sofisticados, tem todos os cômodos de uma casa e se utiliza do moderno conceito de integração. No térreo estão o hall de entrada, lavabo de apoio, área social (estar, home, jantar e cozinha integrados), além de uma pequena lavanderia. Já na parte superior, estão o quarto de vestir, escritório e, na ampliação do mezanino, o destaque fica para a aconchegante suíte do casal. Cores neutras, linhas retas e iluminação pontual traduzem o layout acolhedor do loft, enquanto a presença de madeira e tecidos naturais deu o toque de requinte e leveza.
Loft da Cris, por Cristiane Passing: O décor é marcado por traços contemporâneos e sofisticados, tem todos os cômodos de uma casa e se utiliza do moderno conceito de integração. No térreo estão o hall de entrada, lavabo de apoio, área social (estar, home, jantar e cozinha integrados), além de uma pequena lavanderia. Já na parte superior, estão o quarto de vestir, escritório e, na ampliação do mezanino, o destaque fica para a aconchegante suíte do casal. Cores neutras, linhas retas e iluminação pontual traduzem o layout acolhedor do loft, enquanto a presença de madeira e tecidos naturais deu o toque de requinte e leveza.
Loft da Cris, por Cristiane Passing: O décor é marcado por traços contemporâneos e sofisticados, tem todos os cômodos de uma casa e se utiliza do moderno conceito de integração. No térreo estão o hall de entrada, lavabo de apoio, área social (estar, home, jantar e cozinha integrados), além de uma pequena lavanderia. Já na parte superior, estão o quarto de vestir, escritório e, na ampliação do mezanino, o destaque fica para a aconchegante suíte do casal. Cores neutras, linhas retas e iluminação pontual traduzem o layout acolhedor do loft, enquanto a presença de madeira e tecidos naturais deu o toque de requinte e leveza.
Loft da Cris, por Cristiane Passing: O décor é marcado por traços contemporâneos e sofisticados, tem todos os cômodos de uma casa e se utiliza do moderno conceito de integração. No térreo estão o hall de entrada, lavabo de apoio, área social (estar, home, jantar e cozinha integrados), além de uma pequena lavanderia. Já na parte superior, estão o quarto de vestir, escritório e, na ampliação do mezanino, o destaque fica para a aconchegante suíte do casal. Cores neutras, linhas retas e iluminação pontual traduzem o layout acolhedor do loft, enquanto a presença de madeira e tecidos naturais deu o toque de requinte e leveza.
Penthouse concept, por Granatti Jr.: Eis uma composição onde a base de cores predominantemente neutra e monocromática mesclava tons de branco e preto, com elementos em madeira e metais como aço, cobre e latão. Para decorar, poucos e singulares objetos deram harmonia ao contraste do clássico com o contemporâneo. Esse contexto evidenciou as obras contemporâneas de artistas nacionais e internacionais.
Penthouse concept, por Granatti Jr.: Eis uma composição onde a base de cores predominantemente neutra e monocromática mesclava tons de branco e preto, com elementos em madeira e metais como aço, cobre e latão. Para decorar, poucos e singulares objetos deram harmonia ao contraste do clássico com o contemporâneo. Esse contexto evidenciou as obras contemporâneas de artistas nacionais e internacionais.
Penthouse concept, por Granatti Jr.: Eis uma composição onde a base de cores predominantemente neutra e monocromática mesclava tons de branco e preto, com elementos em madeira e metais como aço, cobre e latão. Para decorar, poucos e singulares objetos deram harmonia ao contraste do clássico com o contemporâneo. Esse contexto evidenciou as obras contemporâneas de artistas nacionais e internacionais.
Penthouse concept, por Granatti Jr.: Eis uma composição onde a base de cores predominantemente neutra e monocromática mesclava tons de branco e preto, com elementos em madeira e metais como aço, cobre e latão. Para decorar, poucos e singulares objetos deram harmonia ao contraste do clássico com o contemporâneo. Esse contexto evidenciou as obras contemporâneas de artistas nacionais e internacionais.
Polígono “Um ambiente para cada um”, por Adriana Piva: A arquiteta apresentou várias facetas, que se adaptam a cada indivíduo. O layout se dividia em quatro: hall de entrada, living, espaço gourmet e suíte. “Eram espaços neutros em sua essência, mas que ganharam personalidade através da escolha dos materiais de acabamento”, explica Adriana. Os estilos variavam do clássico ao contemporâneo, traduzidos através das peças de decoração, do design das luminárias e da marcenaria. Em 160 metros quadrados, ela distribuiu o mobiliário com linhas retas, cores em tons madeirados e branco. “A ideia era que o visitante se sentisse parte do ambiente, à vontade para explorar cada detalhe”, diz.
Polígono “Um ambiente para cada um”, por Adriana Piva: A arquiteta apresentou várias facetas, que se adaptam a cada indivíduo. O layout se dividia em quatro: hall de entrada, living, espaço gourmet e suíte. “Eram espaços neutros em sua essência, mas que ganharam personalidade através da escolha dos materiais de acabamento”, explica Adriana. Os estilos variavam do clássico ao contemporâneo, traduzidos através das peças de decoração, do design das luminárias e da marcenaria. Em 160 metros quadrados, ela distribuiu o mobiliário com linhas retas, cores em tons madeirados e branco. “A ideia era que o visitante se sentisse parte do ambiente, à vontade para explorar cada detalhe”, diz.
Polígono “Um ambiente para cada um”, por Adriana Piva: A arquiteta apresentou várias facetas, que se adaptam a cada indivíduo. O layout se dividia em quatro: hall de entrada, living, espaço gourmet e suíte. “Eram espaços neutros em sua essência, mas que ganharam personalidade através da escolha dos materiais de acabamento”, explica Adriana. Os estilos variavam do clássico ao contemporâneo, traduzidos através das peças de decoração, do design das luminárias e da marcenaria. Em 160 metros quadrados, ela distribuiu o mobiliário com linhas retas, cores em tons madeirados e branco. “A ideia era que o visitante se sentisse parte do ambiente, à vontade para explorar cada detalhe”, diz.
Polígono “Um ambiente para cada um”, por Adriana Piva: A arquiteta apresentou várias facetas, que se adaptam a cada indivíduo. O layout se dividia em quatro: hall de entrada, living, espaço gourmet e suíte. “Eram espaços neutros em sua essência, mas que ganharam personalidade através da escolha dos materiais de acabamento”, explica Adriana. Os estilos variavam do clássico ao contemporâneo, traduzidos através das peças de decoração, do design das luminárias e da marcenaria. Em 160 metros quadrados, ela distribuiu o mobiliário com linhas retas, cores em tons madeirados e branco. “A ideia era que o visitante se sentisse parte do ambiente, à vontade para explorar cada detalhe”, diz.
Pub Confraria do Chopp Honesto: A ideia despojada foi criada pelos arquitetos Beto Gebara, Luiz Fernando Zanoni, Mario Pinheiro e Ricardo Fonseca e o empresário Wagner Barreiro, enquanto a operação e gastronomia levaram a assinatura do Empório Mineiro.
Pub Confraria do Chopp Honesto: A ideia despojada foi criada pelos arquitetos Beto Gebara, Luiz Fernando Zanoni, Mario Pinheiro e Ricardo Fonseca e o empresário Wagner Barreiro, enquanto a operação e gastronomia levaram a assinatura do Empório Mineiro.
Pub Confraria do Chopp Honesto: A ideia despojada foi criada pelos arquitetos Beto Gebara, Luiz Fernando Zanoni, Mario Pinheiro e Ricardo Fonseca e o empresário Wagner Barreiro, enquanto a operação e gastronomia levaram a assinatura do Empório Mineiro.
Pub Confraria do Chopp Honesto: A ideia despojada foi criada pelos arquitetos Beto Gebara, Luiz Fernando Zanoni, Mario Pinheiro e Ricardo Fonseca e o empresário Wagner Barreiro, enquanto a operação e gastronomia levaram a assinatura do Empório Mineiro.
Sala de Jantar Arte e Design, por Deisi Priori: Depois de participar da Casa Cor SC em 2010 e 2011, a arquiteta Deisi Priori volta à mostra com o ambiente Sala de Jantar Arte e Design na sede da mostra na Praia Brava em Itajaí. A ideia foi dar funcionalidade para que o espaço não servisse apenas para refeições, mas a todos os momentos de prazer, em meio à arte, cultura, lazer e ócio. Para tanto, a profissional apostou na simetria e repetição de formas, colocando a arquitetura em evidência. Tratava-se de um décor onde o aconchego da lareira tinha como fundo um belo jardim de inverno.
Sala de Jantar Arte e Design, por Deisi Priori: Depois de participar da Casa Cor SC em 2010 e 2011, a arquiteta Deisi Priori volta à mostra com o ambiente Sala de Jantar Arte e Design na sede da mostra na Praia Brava em Itajaí. A ideia foi dar funcionalidade para que o espaço não servisse apenas para refeições, mas a todos os momentos de prazer, em meio à arte, cultura, lazer e ócio. Para tanto, a profissional apostou na simetria e repetição de formas, colocando a arquitetura em evidência. Tratava-se de um décor onde o aconchego da lareira tinha como fundo um belo jardim de inverno.
Sala de Jantar Arte e Design, por Deisi Priori: Depois de participar da Casa Cor SC em 2010 e 2011, a arquiteta Deisi Priori volta à mostra com o ambiente Sala de Jantar Arte e Design na sede da mostra na Praia Brava em Itajaí. A ideia foi dar funcionalidade para que o espaço não servisse apenas para refeições, mas a todos os momentos de prazer, em meio à arte, cultura, lazer e ócio. Para tanto, a profissional apostou na simetria e repetição de formas, colocando a arquitetura em evidência. Tratava-se de um décor onde o aconchego da lareira tinha como fundo um belo jardim de inverno.
Sala de Jantar Arte e Design, por Deisi Priori: Depois de participar da Casa Cor SC em 2010 e 2011, a arquiteta Deisi Priori volta à mostra com o ambiente Sala de Jantar Arte e Design na sede da mostra na Praia Brava em Itajaí. A ideia foi dar funcionalidade para que o espaço não servisse apenas para refeições, mas a todos os momentos de prazer, em meio à arte, cultura, lazer e ócio. Para tanto, a profissional apostou na simetria e repetição de formas, colocando a arquitetura em evidência. Tratava-se de um décor onde o aconchego da lareira tinha como fundo um belo jardim de inverno.
Sala de jantar do colecionador, por Estela Cislaghi: Sob medida para os que apreciam arte, gastronomia e bons vinhos, Estela apresentou um layout totalmente integrado com uma adega para 250 garrafas, área gourmet e espaço para degustação. Na decoração, a profissional apostou em um ambiente contemporâneo, despojado e multifuncional – linguagem que encontrou no design escandinavo. “O desenho simples, funcional e minimalista torna o produto acessível, além de agregar conforto a um layout refinado”, explica a arquiteta, que investiu nos tons grafite e branco, junto com as madeiras e os blocos de tijolos para dar identidade ao décor.
Sala de jantar do colecionador, por Estela Cislaghi: Sob medida para os que apreciam arte, gastronomia e bons vinhos, Estela apresentou um layout totalmente integrado com uma adega para 250 garrafas, área gourmet e espaço para degustação. Na decoração, a profissional apostou em um ambiente contemporâneo, despojado e multifuncional – linguagem que encontrou no design escandinavo. “O desenho simples, funcional e minimalista torna o produto acessível, além de agregar conforto a um layout refinado”, explica a arquiteta, que investiu nos tons grafite e branco, junto com as madeiras e os blocos de tijolos para dar identidade ao décor.
Sala de jantar do colecionador, por Estela Cislaghi: Sob medida para os que apreciam arte, gastronomia e bons vinhos, Estela apresentou um layout totalmente integrado com uma adega para 250 garrafas, área gourmet e espaço para degustação. Na decoração, a profissional apostou em um ambiente contemporâneo, despojado e multifuncional – linguagem que encontrou no design escandinavo. “O desenho simples, funcional e minimalista torna o produto acessível, além de agregar conforto a um layout refinado”, explica a arquiteta, que investiu nos tons grafite e branco, junto com as madeiras e os blocos de tijolos para dar identidade ao décor.
Sala de jantar do colecionador, por Estela Cislaghi: Sob medida para os que apreciam arte, gastronomia e bons vinhos, Estela apresentou um layout totalmente integrado com uma adega para 250 garrafas, área gourmet e espaço para degustação. Na decoração, a profissional apostou em um ambiente contemporâneo, despojado e multifuncional – linguagem que encontrou no design escandinavo. “O desenho simples, funcional e minimalista torna o produto acessível, além de agregar conforto a um layout refinado”, explica a arquiteta, que investiu nos tons grafite e branco, junto com as madeiras e os blocos de tijolos para dar identidade ao décor.
Soul Loft, por Carolina Lopes e Richard Gohr: O ambiente prova que uma antiga indústria desativada, por exemplo, pode ganhar alma. E para isso os profissionais apostaram em sustentabilidade versatilidade e criatividade. O décor foi concebido a partir de um casal workaholic e moderno que gosta de arte e de formas cheias de estilo. A sustentabilidade não está apenas no reaproveitamento do espaço. “Com boas escolhas no projeto arquitetônico e na definição dos revestimentos, a paginação pôde ter conforto térmico e minimizou o uso do ar condicionado”, lembra Richard.
Soul Loft, por Carolina Lopes e Richard Gohr: O ambiente prova que uma antiga indústria desativada, por exemplo, pode ganhar alma. E para isso os profissionais apostaram em sustentabilidade versatilidade e criatividade. O décor foi concebido a partir de um casal workaholic e moderno que gosta de arte e de formas cheias de estilo. A sustentabilidade não está apenas no reaproveitamento do espaço. “Com boas escolhas no projeto arquitetônico e na definição dos revestimentos, a paginação pôde ter conforto térmico e minimizou o uso do ar condicionado”, lembra Richard.
The Intimate Living For Us, por Aline Schlickmann Sandri e Elise Ribeiro Bueno: Concebido em sintonia com o tema da mostra, Design para UM, o ambiente apresentou ao público uma proposta singular, inspirada nas próprias arquitetas. Foi pensado como um espaço de contemplação, que proporcione aconchego no dia a dia em família. Dessa forma, o décor é monocromático, com pouca luz e com um espaço especial para as crianças participarem do convívio diário, com foco nos aparelhos eletrônicos. O ambiente era claro, com poucas variações de tons, indo do off white até o verde-água. O monocromismo, a volumetria e a simetria se destacam, conferindo uma atmosfera contemporânea.
The Intimate Living For Us, por Aline Schlickmann Sandri e Elise Ribeiro Bueno: Concebido em sintonia com o tema da mostra, Design para UM, o ambiente apresentou ao público uma proposta singular, inspirada nas próprias arquitetas. Foi pensado como um espaço de contemplação, que proporcione aconchego no dia a dia em família. Dessa forma, o décor é monocromático, com pouca luz e com um espaço especial para as crianças participarem do convívio diário, com foco nos aparelhos eletrônicos. O ambiente era claro, com poucas variações de tons, indo do off white até o verde-água. O monocromismo, a volumetria e a simetria se destacam, conferindo uma atmosfera contemporânea.
The Intimate Living For Us, por Aline Schlickmann Sandri e Elise Ribeiro Bueno: Concebido em sintonia com o tema da mostra, Design para UM, o ambiente apresentou ao público uma proposta singular, inspirada nas próprias arquitetas. Foi pensado como um espaço de contemplação, que proporcione aconchego no dia a dia em família. Dessa forma, o décor é monocromático, com pouca luz e com um espaço especial para as crianças participarem do convívio diário, com foco nos aparelhos eletrônicos. O ambiente era claro, com poucas variações de tons, indo do off white até o verde-água. O monocromismo, a volumetria e a simetria se destacam, conferindo uma atmosfera contemporânea.
The Intimate Living For Us, por Aline Schlickmann Sandri e Elise Ribeiro Bueno: Concebido em sintonia com o tema da mostra, Design para UM, o ambiente apresentou ao público uma proposta singular, inspirada nas próprias arquitetas. Foi pensado como um espaço de contemplação, que proporcione aconchego no dia a dia em família. Dessa forma, o décor é monocromático, com pouca luz e com um espaço especial para as crianças participarem do convívio diário, com foco nos aparelhos eletrônicos. O ambiente era claro, com poucas variações de tons, indo do off white até o verde-água. O monocromismo, a volumetria e a simetria se destacam, conferindo uma atmosfera contemporânea.
Tríade Loft, por Vanessa Schmidt, Tábata Gesser e Aristide Pinheiro: Os profissionais conceberam um espaço inspirado no estilo industrial, que surgiu da transformação de galpões e estúdios em lares. O ambiente estava dividido em três grandes áreas: cozinha, living e dormitório. Cada um deles foi projetado de forma independente, mas que se conectavam pelas cores utilizadas, dando unidade e integração ao loft. Era então um passeio que ia do branco absoluto até todos os tons de preto, com algumas pitadas da cor tangerina. Assim, são três nuances que formavam a composição, por isso o nome do espaço – que busca além de tudo aguçar os três sentidos: visão, audição e olfato.
Tríade Loft, por Vanessa Schmidt, Tábata Gesser e Aristide Pinheiro: Os profissionais conceberam um espaço inspirado no estilo industrial, que surgiu da transformação de galpões e estúdios em lares. O ambiente estava dividido em três grandes áreas: cozinha, living e dormitório. Cada um deles foi projetado de forma independente, mas que se conectavam pelas cores utilizadas, dando unidade e integração ao loft. Era então um passeio que ia do branco absoluto até todos os tons de preto, com algumas pitadas da cor tangerina. Assim, são três nuances que formavam a composição, por isso o nome do espaço – que busca além de tudo aguçar os três sentidos: visão, audição e olfato.
Tríade Loft, por Vanessa Schmidt, Tábata Gesser e Aristide Pinheiro: Os profissionais conceberam um espaço inspirado no estilo industrial, que surgiu da transformação de galpões e estúdios em lares. O ambiente estava dividido em três grandes áreas: cozinha, living e dormitório. Cada um deles foi projetado de forma independente, mas que se conectavam pelas cores utilizadas, dando unidade e integração ao loft. Era então um passeio que ia do branco absoluto até todos os tons de preto, com algumas pitadas da cor tangerina. Assim, são três nuances que formavam a composição, por isso o nome do espaço – que busca além de tudo aguçar os três sentidos: visão, audição e olfato.
Tríade Loft, por Vanessa Schmidt, Tábata Gesser e Aristide Pinheiro: Os profissionais conceberam um espaço inspirado no estilo industrial, que surgiu da transformação de galpões e estúdios em lares. O ambiente estava dividido em três grandes áreas: cozinha, living e dormitório. Cada um deles foi projetado de forma independente, mas que se conectavam pelas cores utilizadas, dando unidade e integração ao loft. Era então um passeio que ia do branco absoluto até todos os tons de preto, com algumas pitadas da cor tangerina. Assim, são três nuances que formavam a composição, por isso o nome do espaço – que busca além de tudo aguçar os três sentidos: visão, audição e olfato.

 

Fotos: Lio Simas e Sidney Kair

Publicações Relacionadas